Déjà Vu – André Carrilho

|PT| Déjà Vu – André Carrilho
Idioma – Português
Editor – Arranha-céus / Fevereiro  2016
Livro com 104 páginas, com capa dura.
Dimensões – 24 x 28,4 x 1 cm

 

|EN| Déjà Vu – André Carrilho
Language – Portuguese
Editor – Arranha-céus / February  2016
Book with 104 pages, with hardcover.
Size – 24 x 28,4 x 1 cm

 25.00

Add to wishlist
SKU: CDA01 Category: Tags: , ,

|PT| Déjà Vu – André Carrilho
Antologia de cartoons de um dos mais prestigiados, premiados e internacionalizados autores de desenho de imprensa, que em Portugal publica, sobretudo, no Diário de Notícias. Nenhum momento importante, assunto premente ou personalidade notável dos últimos anos escapou ao seu olhar mordaz.

«Um dia, o jornal francês Libération perguntou a escritores de todo o mundo: «Porque escreve?» A melhor resposta foi a do português Lobo Antunes: «Porque não sei dançar como Fred Astaire.» Porque estou eu aqui a prefaciar? Plagio: porque não sei desenhar como André Carrilho. É tão mais fácil explicar as coisas com dois rabiscos – basta ter um imenso talento. Como não tenho, continuo por meras palavras. Em 1974, em vésperas do nosso 25 de Abril, Salvador Puig Antich, militante anarquista espanhol, foi morto pelo regime franquista. Será o último a ser executado pelo garrote vil. No primeiro aniversário da sua morte, na primavera de 1975, houve manifestações em Lisboa. Uma delas, de anarquistas, passou pela sede da companhia de avião espanhola Iberia e seguiu em frente. Mas, ao chegar à loja da companhia de aviação italiana Alitalia, a manifestação partiu-lhe as montras. Acho que foi nesse dia que conheci André Carrilho.» Do prefácio de Ferreira Fernandes.

 

|EN| Déjà Vu – André Carrilho
Anthology of cartoons of one of the most prestigious, awarded and internationalized authors of press design, which in Portugal publishes, above all, in the Diário de Notícias. No important moment, pressing subject, or notable personality of recent years has escaped his scathing gaze.

“One day, the French newspaper Libération asked writers from around the world:” Why do you write? “The best answer came from the Portuguese author Lobo Antunes:” Because I can not dance like Fred Astaire. “Why am I here to preface? Plagiarism: because I do not know how to draw like André Carrilho. It’s so much easier to explain things with two scribbles – just have a tremendous talent. As I have not, I continue by mere words. In 1974, on the eve of our 25th of April, Salvador Puig Antich, a Spanish anarchist militant, was killed by the Franco regime. It will be the last to be executed by the vile club. On the first anniversary of his death, in the spring of 1975, there were demonstrations in Lisbon. One of them, anarchists, passed by the headquarters of the Spanish airline company Iberia and moved on. But on arriving at the shop of the Italian airline company Alitalia, the demonstration broke the shop windows. I think it was on that day that I met André Carrilho. “From the preface by Ferreira Fernandes.